Translate

sábado, 20 de agosto de 2011

ESTUDOS DE CASOS



Os textos a seguir são excelentes para discutir sobre a disciplina na sala de aula em reuniões pedagógicas com professores. Usem à vontade, porém, com os devidos créditos.
Divididos em grupos, os professores discutem o caso, chegam num concenso, a seguir cada grupo apresenta suas sugestões para o grande grupo.


Estudo de  Caso 01

Marta era uma garota de 13 anos, quando tinha apenas 3, ela foi vítima de um acidente caseiro ao puxar pelo cabo uma panela com água quente que se encontrava no fogão. A menina sofreu queimaduras de terceiro grau e assim Marta teve seu rosto deformado por cicatrizes que a deixava diferente das outras meninas. Sua família muito pobre não tinha condições de pagar por uma cirurgia plástica, a menina cresceu e se tornou uma  mocinha. Na escola Marta era exageradamente extrovertida, falava alto, gesticulava muito, dava bastante trabalho aos professores. Ela sempre se tornava o centro das atenções através das suas atitudes extravagantes.  Talvez, inconscientemente, a garota achasse que ser “descolada” e brincalhona fosse a única forma de ser aceita pelos colegas. Sem perceber Marta prejudicava sua própria aprendizagem, ficando cada vez mais difícil realizar o sonho de mudar de vida.

Como professores da garota o que vocês fariam para que a história de Marta tivesse  um final feliz?

Estudo de Caso 02

Pedro tem 14 anos, é um garoto inteligente e tem sempre uma resposta na ponta da língua. Ele gagueja e quando fica nervoso fica ainda mais gago. Seus pais separaram em meio a muitos conflitos, sua mãe sozinha, sem ter como alimentar os filhos ficou doente, mesmo assim teve que ir à luta e trabalhar como doméstica, ficando o dia inteiro fora de casa, enquanto o seu pai foi viver com outra mulher que já tinha três filhos, pra eles nada faltava. Pedro se transformou num menino revoltado, agitado e teve que ser submetido a tratamentos psicológicos, depois de alguns meses, o psicólogo deu alta ao garoto.  Na escola Pedro não se interessava pelos estudos, causava problemas com os colegas e professores. Certo dia ao ser repreendido por não participar da aula de Inglês Pedro prontamente respondeu: __ Eu sou gago, não sei falar nem Português direito como é que eu vou aprender Inglês?

O que os professores de Pedro e a escola podem fazer para ajudar o garoto a encontrar motivação para aprender e superar suas dificuldades?

Estudo de Caso 03

Carlos é um garoto rebelde, acostumado com as brigas entre os pais e irmãos  e total falta de carinho familiar, acredita que a vantagem é sempre dos mais “valentes”. Aos 12 anos Carlos já se considera homem feito e acha que homem não leva desaforo pra casa. Apesar de escrever as atividades não presta atenção nas explicações do professor, está sempre conversando com os colegas ou brincando nos momentos mais inconvenientes, muitas vezes o professor perde a paciência e grita com Carlos. Ao ser repreendido na frente dos colegas, ele reage de forma grosseira e desrespeitosa com o professor. Na verdade, o garoto acredita que ouvir as repreensões em silêncio significa demonstração de fraqueza  perante os colegas.

Que providências  você acha que o professor deve tomar diante das atitudes de Carlos?

Estudo de Caso 04

Na sala de aula onde Renato estuda, o celular virou mania. Os alunos deixam as atividades de lado para utilizarem o aparelhinho das mais diversas formas. Renato ouve  música enquanto o professor se esforça para explicar o conteúdo planejado para aquela aula. O professor repreende a turma, os alunos guardam o celular, mas Renato continua com o objeto em uso. O professor irritado pede para que o garoto se retire da sala de aula.  Na secretaria , ao ser quetionado pela diretora sobre o seu comportamento, Renato argumenta: __ Se o professor liga e atende o celular na sala de aula, eu também posso usar.

Como fazer Renato compreender e aceitar as regras para o uso limitado do celular na escola?

Estudo de Caso 05

Paulo é um garoto de 14 anos, alegre e muito brincalhão. Em casa ele recebe bastante atenção da mãe que está sempre lhe dando bons conselhos. O pai, ausente e alcóolatra, mal consegue suprir as necessidades mínimas da família. Na escola Paulo não participa das aulas, passa o tempo inteiro fora da sala passeando como se estivesse ali para se distrair, não para estudar. Na maioria das vezes o garoto não está na sala de aula na hora de marcar a presença, por esse motivo, mesmo estando dentro da escola, Paulo tem um número elevado de faltas e no caderno quase nada tem escrito. Quando é repreendido o garoto diz que as aulas são chatas, escuta os conselhos, vai para a sala de aula e no dia seguinte a história se repete.

O que é preciso fazer para que Paulo se interesse pelas aulas e permaneça na sala?


 Zezinha Lins

Um comentário:

Zélia Cunha disse...

Parabéns, Zezinha por partilhar conhecimentos. Gostei muito da proposta de estudo. São problemas semelhantes que encontramos no nosso cotidiano e que necessitam ser discutidos para que possamos tomar uma atitude correta. Seu blog é ótimo e passarei mais vezes aqui.Passa lá no meu, se gostar seja uma seguidora.
http://zeliacunhapintandopoesia.blogspot.com/
Bom fim de semana para você
Bjs.